: Ремонт ноутбуков hp pavilion. Ремонт ноутбуков hp своими руками. Ремонт клавиатуры ноутбука hp. Сервисный центр samsung ремонт планшетов. Быстрый ремонт планшетов samsung. Ремонт планшетов samsung galaxy tab. Штукатурка стен своими руками. Качественная венецианская штукатурка своими руками. Наружная штукатурка своими руками.
Смартфон samsung galaxy отзывы. Хороший обзор смартфонов samsung galaxy. Смартфон samsung galaxy ace 2. Горнолыжные курорты италии отзывы. Лучшие горнолыжные курорты италии. Горнолыжные курорты италии фото. Лазерная коррекция зрения. Качественная коррекция зрения стоимость. Операция по коррекции зрения. Язык программирования python. Учим python быстро. Весь язык python с нуля. Лечение сетчатки глаза. Нервный тик глаза лечение. Болезни глаз лечение.



Uma moralidade que se mede num acto de urinar

(23/01/2012 - Autor: Julio Valdez - Fonte: Webislam)

O processo de embrutecimento das tropas estrangeiras no Afeganistão

A Força Internacional de Assistência para a Segurança do Afeganistão ISAF assegurava que se tinha produzido 'um inexplicável acto de falta de respeito que não está de acordo com os altos níveis de moralidade que esperamos das forças da aliança', logo depois de ver as imagens de quatro marines a urinar sobre os cadáveres de combatentes afegãos. E isto leva-nos a colocar a questão: a que moralidade se referem ? Depois de terem liderado o bombardeamento massivo e selectivo sobre população civil e de proteger os narcotraficantes que produzem ópio no Afeganistão, de enriquecerem com empresas de reconstrução e com a exploração dos recursos naturais, evidentemente que sob estas circunstancias, este acto de urinar sobre cadáveres parece irrelevante.

Embrutecimento dos soldados invasores

Trata-se de impor maçãs podres como bem afirma Robert Fisk em La Jornada, argumentando em relação ao feito que os responsáveis por aqueles actos são a excepção à regra, tratando novamente de trair a colocação dos objectivos louváveis das guerras que eles têm promovido pelo planeta (a luta contra o comunismo, a luta contra o terrorismo, a libertação dos povos dos seus ditadores, a luta pela democracia, a luta pela liberdade, ajuda humanitária e outras justificações tiradas de guiões de Hollywood).

Uma das diferenças entre a guerra do Vietnam e a do Iraque é a baixa taxa de mortes de soldados norte-americanos em combate, não se passando o mesmo com os civis que, por regra, sofrem o peso dos bombardeamentos como vitimas colaterais, o que quase não varia é a quantidade de veteranos que sofrem de transtorno pós-traumático que provoca, entre muitas outras coisas, suicídios e casos de violência social e doméstica, somado ao problema social que provoca o consumo desmedido e massivo de licores e estupefacientes, que por si só é o mais alto do planeta e da história da humanidade.

As imagens de quatro soldados a urinar sobre os cadáveres reflectem o embrutecimento de um exército no qual se criou a mensagem dos filmes apologéticos do soldado indestrutível, profissional e moral (The Hurt Locker, Black Hawk Down, Green Zone). Evidentemente esses meios filmes contribuíram para a construção de uma imagem que pretende ser omnipresente no mundo, moralmente necessária a tal ponto que não esperam superar a sua auto-imagem de embaixadores da democracia e da liberdade; a arrogância é tal que se erguem por cima do bem e do mal.

A falta de solvência moral do exército norte-americano mede-se a partir do pouco ou muito que os seus próprios membros colocam filmes no Youtube; depois, a Hollywood faz o trabalho restante. Um dilema apresentado no filme de Oliver Stone 'Platoon', um sargento bom e outro mau, onde evidentemente, no final, a justiça impõe-se sobre a maldade e o bom sustém os ideais primários sobre os quais descansa a justificação da guerra.

'Matei 255 pessoas e não me arrependo'

Esta é a frase do atirador Chris Kyle, oficial do pelotão Charly, terceiro grupo da força de elite dos Estados Unidos conhecida como Navy SEALs, que ganhou a reputação de ser o atirador mais mortífero em toda a história, que ao ser entrevistado pela BBC afirmava que 'Custou-me o que fiz. No entanto gostei. Se a s circunstancias fossem diferentes - se a minha família não precisasse de mim - voltaria num abrir e fechar de olhos' e logo voltou a afirmar: 'as minhas balas salvaram muitos americanos cujas vidas valiam clara-mente muito mais que aquela mulher de alma retorcida'. (http://www.bbc.co.uk/mundo/noticias/-2012/01/120110_irak_francotirador_lp.shtml).

De facto, o elemento embrutecedor do soldado norte-americano tem a ver com a convicção desumana que cresce neles em forma de ódio ao inimigo a tal ponto que o degradam na sua qualidade humana; este processo é semelhante em todos os conflitos, mas o interessante no caso norte-americano é a carga emotiva e mediática que carrega.

Chris Kyle, da mesma forma que os quatro marines, possuem a particularidade de que provavelmente não têm uma mente perturbada nos seus contextos culturais, está fielmente convencido do seu papel na guerra 'justa'; não há mais certeza do que a que pode proporcionar ao Exército e ao Estado e, se o esforço de guerra é justo, o divertir-se é quase um dever, como sucedeu com as centenas de fotografias que mostravam os prisio-neiros sodomizados e humilhados de Abu Ghraib.

Quando surgiram as avalanches de críticas aos soldados que profanaram os cadáveres de combatentes, ao mesmo tempo surgiram milhares de mensagens de apoio aos agora imputados por actos fora da moral militar, muitas delas eram de parentes e dos mesmos soldados norte-americanos que, inclusivamente, justificavam tais actos atrozes.

O stress pós-traumático que se produz durante a quebra da consciência, na raiz de presenciar ou participar em eventos sangrentos tem que ver com sentimentos posteriores de culpa ou de impotência que, evidentemente, os perpetradores de tortura em Abu Ghraib, Chris Kyle e os quatro marines que urinaram sobre os cadáveres de combatentes, superaram com doses de jocosidade e hilaridade, elevando o nível de cinismo que a empresa colonizadora requer, que, para o público que crê que é ameaçado pelo mundo, o feito dos soldados não é mais do que uma falta (não teria sido se não fossem apanhados). Esse mesmo cinismo imperial não pediu desculpas às famílias dos falecidos - pois na sua lógica, a sua morte estava plenamente justificada - , nem sequer para os povos afegãos nem para os muçulmanos do mundo; a preocupação era pelas possíveis armas propagandistas que se havia proporcionado ao inimigo que põe em perigo a vida das suas tropas, (somando ao facto de estarem a ocupar ilegalmente uma nação). Isto confirmou- se duas semanas depois quando um soldado afegão matou quatro soldados franceses.

O riso parece ser um elemento que mantém a coesão entre a acção militar e as vítimas civis. Tanto no Vietnam como no Iraque e no Afeganistão tornou-se evidente a remoção do agressor em forma de marine para a vítima, tanto que a castiga por não se deixar 'proteger', assim, a vítima é culpada da sua própria sorte, de tal forma que optou pelo caminho errado de ir com o inimigo. Desta forma, toda a acção contra civis é claramente justificada de tal forma que se põe na balança a vida de alguém que pode acabar com a própria vida, ou a de um amigo ou camarada de Unidade. O conflito atingiu todos os paradoxos existentes quando se produzem atentados entre os aliados em campo, quando um militar treinado e alimentado pelos cruzados se volta e mata os seus colegas de armas, não há infiltração, não há recompensas em dinheiro pela cabeça de um marine, há o simples desprezo pelo que sombreou de desprezo a própria terra, pleno de fúria do colonizador.





Created & Design by MaiLayout