: Ремонт ноутбуков hp pavilion. Ремонт ноутбуков hp своими руками. Ремонт клавиатуры ноутбука hp. Сервисный центр samsung ремонт планшетов. Быстрый ремонт планшетов samsung. Ремонт планшетов samsung galaxy tab. Штукатурка стен своими руками. Качественная венецианская штукатурка своими руками. Наружная штукатурка своими руками.
Смартфон samsung galaxy отзывы. Хороший обзор смартфонов samsung galaxy. Смартфон samsung galaxy ace 2. Горнолыжные курорты италии отзывы. Лучшие горнолыжные курорты италии. Горнолыжные курорты италии фото. Лазерная коррекция зрения. Качественная коррекция зрения стоимость. Операция по коррекции зрения. Язык программирования python. Учим python быстро. Весь язык python с нуля. Лечение сетчатки глаза. Нервный тик глаза лечение. Болезни глаз лечение.



Aprova o Islão a violência contra não muçulmanos?

(30.12.2011 - Coord. por M. Yiossuf Adamgy, in revista Al Furqán, nº. 185)

A violência não é religiosa. É crime. É como se tivesse assassinado toda a humanidade.

'Uma sequência de explosões abalou a Nigéria durante a celebração da Missa de Natal em igrejas católicas, dando origem a 40 vítimas. O primeiro e mais mortal dos ataques ocorreu quando uma forte explosão destruiu a igreja de Santa Teresa, na periferia de Abuja, capital nigeriana, onde os serviços de emergência informaram que haviam resgatado dezenas de corpos no interior do templo... O grupo radical islâmico Boko Haram (termo que na língua local da etnia Hausa significa "educação ocidental é pecado") reivindicou os ataques'. (1)

A primeira coisa que ocorre na mente de quem lê este parágrafo é "Os muçulmanos são terroristas, fanáticos da violência e fundamentalistas". No entanto, deve-se dizer que essa ideia é baseada em preconceito e desconhecimento da realidade do Islão.

O Islão aprova a violência contra não muçulmanos? Absolutamente NÃO. O Islão é uma religião de paz. Não há nada no Alcorão, na doutrina ou na ética islâmica que permita, incentive ou tolere a violência em qualquer forma e sob nenhuma circunstância. Embora a ideia que exista no Ocidente seja que a violência na religião muçulmana é parte da prática, o reconhecimento dos direitos humanos de homens e mulheres em pé de igualdade, independentemente da origem, raça ou crença religiosa, encontra no Alcorão a sua fonte original.

O Islão reconhece aos 'dzimmíes' (minorias não-muçulmanas dentro de uma sociedade islâmica) os mesmos direitos que aos muçulmanos. Disse o Profeta Muhammad (s.a.w. = paz e bênçãos de Deus estejam com ele):

"Quem faz mal a um dzimmí, faz mal a mim próprio, e quem me prejudica, prejudica Al-lah." É um grande pecado prejudicar as minorias de qualquer tipo. Um muçulmano que incorporou no seu coração e vida a mensagem de Deus (ár. Allah), não vai perturbar a vida de alguém que pensa, vive, ou sente diferente.

Existe uma Declaração dos Direitos Humanos no Islão (DDHI), também conhecida como a Declaração do Cairo (1990), pelos Estados membros da Organização da Conferência Islâmica, que fornece uma visão geral da perspectiva muçulmana sobre os direitos dos seres humanos e define a Sharia - lei islâmica, em geral, como sua principal fonte. O DCDHI declara que a sua meta é ser um guia para os Estados membros do OIC no campo dos direitos humanos. Geralmente, esta declaração é considerada como equivalente e resposta à Declaração Universal dos Direitos Humanos elaborado pela ONU em 1948.

Mas, mesmo que esta declaração não existisse, não compromete de todo os direitos inalienáveis da humanidade. No Islão, todas as pessoas são profundamente iguais. Todo o ser humano é, portanto, semelhante aos seus pares, a humanidade é uma comunhão a serviço de um único Deus. Neste contexto espiritual, o conceito islâmico de singularidade é fundamental e central e inclui, necessariamente, o conceito de unidade humana e fraternidade entre os seres humanos.

Diz o Alcorão Sagrado: 'Ó crentes! Sede perseverantes na causa de Deus e prestai testemunho, a bem da justiça; que o ódio aos demais não vos impulsione a serdes injustos para com eles. Sede justos, porque isso está mais próximo da piedade, e temei a Deus, porque Ele está bem inteirado de tudo quanto fazeis'. (5:8).

'... E se Deus não tivesse repelido alguns homens por intermédio de outros, estariam demolidos os mosteiros e as igrejas, as sinagogas e as mesquitas, onde o nome de Deus é tantas vezes invocado ...'. (22.40).

'Deus ordena a justiça e a benevolência'. (16:90).

'Quando julgardes as pessoas, fazei-o com justiça'. (4:58).

Em muitos outros versículos, este princípio é referido.

A vida humana é sagrada e não deve ser tomada ou abusada sem nenhum motivo. Quando alguém viola a santidade da vida por matar uma pessoa sem justificação, o Alcorão compara com a morte de toda a humanidade:

' (...) Aquele que mata uma pessoa que não tenha morto ou feito danos na terra, é como se tivesse assassinado toda a humanidade'. (Alcorão, 5:32).

Disse o Profeta Muhammad (p.e.c.e.) que não há diferença entre um árabe e um estran-geiro (não árabe), entre um homem e uma mulher, entre ricos e pobres, excepto na piedade, na consciência de Deus. Qualquer pessoa que se respeite a si mesma é definitivamente a favor da implementação e monitoramento dos direitos humanos.

O Islão ordena, pela palavra de Deus, a respeitar o "Povo do Livro", isto é, cristãos e judeus. Muçulmanos reconhecem a Torá e a Bíblia como revelações anteriores de Deus para a humanidade. Reconhecem Abraão, Moisés e Jesus (paz esteja com eles) como nossos Profetas e figuras-chave no desenvolvimento da nossa fé. Promover a coexistência pacífica baseada no respeito pelos direitos humanos é um mandato irrevogável para todo muçulmano que é digno do nome.

Um exemplo disso é a aliança do Profeta Muhammad (s.a.w.) com os cristãos de Najran, em 631, que gozavam de protecção "da sua vida, propriedade, terra, fé, templos e todos os seus pertences" como os muçulmanos. De acordo com este estatuto, as minorias religiosas no mundo muçulmano desfrutaram de uma autonomia quase completa e autogestão em assuntos religiosos, incluindo questões pessoais, família, direito sucessório e direito penal quando foram cometidos crimes dentro da minoria.

Outro exemplo disso é o histórico tratado com os Cristãos de Jerusalém assinado pelo Califa Omar (r.a.): 'Esta é a protecção que o servo de Deus, Omar, o Chefe dos Crentes, garante ao povo de Eiliya (Jerusalém). A protecção diz respeito às suas vidas e propriedades, às suas igrejas e cruzes, às suas doenças e saúde, assim como para todos os seus correligionários. As suas igrejas não serão utilizadas como habitação, nem tão pouco serão demolidas; nem nenhuma injúria lhes será feita, nem as suas propriedades serão injuriadas de forma alguma. Não haverá compulsão para com estas pessoas em matéria religiosa, nem deverão, por isso, sofrer ou serem vítimas de injúria ... Tudo o que aqui se encontra escrito é de acordo com a vontade de Deus e a responsabilidade do Seu último Mensageiro, dos califas e dos crentes, e deverá ser respeitado ...'.

O uso da religião para justificar o ódio e a violência para dar uma aparência de santidade que não tem, é um recurso popular dos grupos cujo objectivo não é, em caso algum, honrar a Fé. Se assim fosse, apresentariam a sua conduta para a paz, não para a morte. Rancores pessoais, interesses culturais, estratos políticos e económicos, estão no fundo dessas atrocidades que em nada representam os muçulmanos em geral, e não são expressão do papel que Deus nos deu na terra. O confronto entre muçulmanos e cristãos não faz parte da nossa ética e devem ser rejeitados pelos verdadeiros crentes. O "ódio cego" não é islâmico, é um pecado mortal. A violência não é religiosa; é criminosa; é como se tivesse assassinado toda a Humanidade.

Que Deus ilumine a Humanidade no limiar deste Novo Ano, tornando-o Feliz e Próspero.

(1) - Apesar de muitos cristãos (e não cristãos) realmente estarem a ser assassinados na Nigéria (e em outros países), soube-se que a foto que acompanha essa notícia (falsa) foi tirada depois de uma explosão de um caminhão de combustível no Congo e não tem nada a ver com o facto citado no texto. Ver em: http://www.e-farsas.com/cena-chocante-cristaos-queimados-vivos-verdadeiro-ou-falso.html


Os livros mais vendidos online




Created & Design by MaiLayout